domingo, 24 de junho de 2012

Sacolinhas: Bandidas ou injustiçadas?


Este assunto é muito polêmico porque muitos pensam na ecologia e o quanto é importante cuidar do meio ambiente. Eu quero deixar bem claro que sou totalmente a favor da natureza e devemos fazer o máximo para preservá-la. Entretanto, este negócio de proibir as sacolinhas é uma tremenda balela, em minha opinião, para enganar o povo em pró dos valores ecológicos.
Acredito que todos meus leitores sabem que os custos de uma loja de qualquer natureza como pessoal, perdas, impostos, seguro, energia e outros estão embutidos nos preços dos produtos. Inclusive as sacolinhas plásticas.
Creio também que todos já conhecem a polêmica e que o argumento da proibição das “bandidas” é que poluem o meio ambiente, e muitas delas param no mar ou rio e acabam na barriga de peixes e tartarugas, fora o fato de ficarem voando por ai entupindo bueiros e “enfeiando” as ruas. Isto é realidade. Mas, a culpa é das sacolinhas ou de quem não tem consciência ecológica?
Pensamos assim: Faremos de conta que a proibição das sacolas plásticas seja a solução. Neste caso, conforme está veiculando na mídia, para quem quiser o comércio fornecerá sacolas biodegradáveis por R$ 0,17 a unidade. Certo, mas espera ai! Os produtos que hoje são comprados não baixarão de preços. Logo, continuaremos pagando pela sacolinha que não nos darão mais. E quem também não quiser pagar pela nova terá que comprar sacos de lixo para substituir o uso que inúmeras pessoas dão para as sacolinhas. Estes sacos de lixo levam o mesmo tempo ou mais para serem consumidos pelo meio ambiente do que as sacolinhas tradicionais. Ainda tem mais, esta sacola maravilhosa que se decompõe, leva um ano para degradar 100% o que é tempo suficiente para poluir rios, mar, campos e zonas urbanas ocasionando por este tempo os mesmos problemas que a sacola velha.
Há quem vai dizer: “Mas um ano é melhor que a vida toda”. Realmente é, mas não a estes argumentos e custos que nos impõem.
Pior que ninguém pensou em todas as consequências. Há pessoas, e não adianta dizer que não porque elas existem sim, que irão despejar o lixo de casa nas lixeiras sem acondicionamento. Se hoje já vejo isto, imagina com a desculpa de que o saco de lixo está caro.
Sabendo que a lei, que já vigora em algumas cidades, vai fluir independente do meu manifesto e de outras pessoas ficam as perguntas:
Quando proibirão os sacos plásticos dos legumes, verduras e frutas? Também são plásticos que vagam por ai?
O que é feito com a embalagem de isopor das carnes e vegetais? Eu sei que não serve para reciclagem.
O que aquele filho de prostituta que joga a sacolinha pela janela do ônibus ou carro vai jogar depois da proibição? Ele vai continuar jogando alguma coisa.
Irão comprar sacolinhas descartáveis ou saco de lixo para recolher os cocôs dos cachorrinhos de estimação? Esta eu posso responder. A maioria vai deixar as “cacas” por ai com a desculpa que não tem mais sacolinhas.
E para não prolongar muito a última pergunta que não tem nada a ver com este texto, mas faz parte das imposições inúteis que nos fazem: Alguém se lembra da obrigatoriedade de ter nos automóveis o estojo de primeiro socorros que não servia para nada?
O que na verdade falta é vigilância sanitária e multas pesadas para quem agride o meio ambiente. Disque denuncia para comunicar queimadas, despejo ilegal de lixo e etc.
Eu mesmo já vi abrirem a janela do carrão e coisas de diversos tipos serem largadas em ruas e avenidas. E o que acontece? Nada! Apenas malandragem e preguiça ficando impunes.
É mais fácil proibir as sacolinhas do que criar um sistema de defesa ao ecossistema. Porque isto deve ser tão difícil quanto foi decidir se liberavam a venda de bebidas alcóolicas nos estádios durante a copa.
Será?

5 comentários:

  1. Adorei Primo ,escreveu muito bem sobre a maldita sacolinha,concordo com tudo que escreveste.beijo.Cris Paszinski

    ResponderExcluir
  2. Eh isso aí......abaixo os filhos das prostitutas e viva a sacolinha...he..he..he

    Cerdil

    ResponderExcluir
  3. Desabafar sempre nos deixa melhores e tranquilos, belo desabafo.

    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olha eu exatamente como vc amigo! As sacolinhas tinham voltado, quando fui fazer compras da última vez deram desculpa que tinham acabado. mas depois fiquei sabendo que realmente não iam fornecer mais. Eu estou com ódio desta situação. No interior de nosso estado (MG), elas não foram proibidas. pura sacanagem.
    Beijos...

    ResponderExcluir
  5. Pois... aqui é tudo visando lucro. As "proibições" e "obrigações" vêm sempre com cifrões...
    Este estojo no carro era algo tipo... eu sou prefeito e tenho um parente que precisa se desfazer disso, então vou lançar uma lei, pronto! E assim foi com a vistoria para não poluir o ar e por aí vai...
    O que falta é educação e conscientização. Passam tanta porcaria na TV, que ainda é o meio que mais atinge as massas e sempre me pergunto "por que não conscientizam o povo em horário nobre?". Lembra de uma época que a Globo tinha umas vinhetas ecológicas muito boas? Uma delas não esqueço: o carinha jogava lixo na rua, aí vinha a chuva e ele estava na janela da sua casa, o rio enchia e a água com todo o lixo entrava na sua casa e ele ficava com cara de paisagem na janela. Achava super!
    Deviam conscientizar sobre lixo na rua, castração e posse responsável de animais, som alto e por aí vai...... mas, como dizia meu falecido avô português "o governo gosta de povo ignorante, é mais fácil manipular!".

    Abraços meu amigo e feliz final de semana.

    ResponderExcluir