sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Diário de Bordo



Há muito que perdemos o rumo.
O mar está lindo e calmo, mas de nada nos adianta. Com os instrumentos quebrados e o casco avariado perdemos totalmente o rumo.
De que adianta o vento estar favorável se não sei a que porto me dirigir.
O Sol poderia me guiar, mas faz tempo que não o vejo. Com este tempo nebuloso o dia se confunde com a noite.
O último pombo-correio chegou faz 40 dias. É fato que estamos totalmente fora da rota, se não os demais teriam nos achado. A última tempestade fez com que nos perdêssemos.
Com o último pombo vieram palavras do meu amor. É minha amada que me dá forças de continuar no timão procurando um caminho que não encontro.
Minha tripulação aos poucos sucumbe a fome e a sede. A água e a comida estavam racionadas.   Agora nada temos. Os poucos que sobraram me olham com orgulho por estar mais forte do que eles. De certa forma isto mantém as suas esperanças. O que eles não sabem é que, agora, o que realmente me importa é ver meu amor nem que seja uma última vez. Faz muito tempo que estivemos juntos, que fizemos amor. Não sei se a terei em meus braços novamente. Estou perdido neste deserto de águas.
Os marujos estão se indo, e aqui somente eu sei o que me mantém vivo. A cada linha que escrevo, um nos deixa.
Eu daria meu navio por um rumo correto, pelo caminho que me levasse para casa em segurança. Assim chegaria novamente ao coração da minha amada. Eu poderia morrer nos seus braços que morreria feliz. Mas não creio que terei esta sorte. Eu lembro dos nossos momentos em terra firme. São inesquecíveis. Não me sai da cabeça a imagem dela na praia esperando o navio sumir no oceano no dia que parti.


A saudade aperta meu coração e me deixa angustiado.
Eu supero a fome e a sede, mas esta ansiedade é que me mata aos poucos.
Só sobrou um marujo agora. Ele me olha sorridente achando que vamos conseguir. O coitado mal respira, sei que não lhe resta muito tempo. Já eu, não sei quanto tenho. Pronto ele se foi, seu sofrimento acabou. Agora só sobrou o meu. Sei que não vou conseguir, entretanto devo tentar ir até o fim. Ainda me sinto forte, mas parece que minhas mãos estão coladas neste timão e só desgrudam para eu escrever.
Vejo um amontoado de pedras. De nada adiantaria aportar nesta ilha estéril. Poderia levar a embarcação para que se arrebentasse nas pedras ou simplesmente deixar o leme livre para tentar sorte melhor. Mas, não devo desistir e sim tentar até esgotar a última força.
Já não vejo mais o horizonte, apenas a imagem da minha amada sentada na proa sorrindo e acenando para mim.
O navio começa a afundar. Agora sei que não tenho muito tempo. Não consigo mais lutar sozinho. A última coisa que me resta fazer é colocar esta página arrancada do diário de bordo nesta garrafa, jogá-la ao mar e rezar para quem a encontrar tenha a compaixão de levá-la a minha amada Esperanza no porto dos Amores.  

17 comentários:

  1. Perfeito. Parabéns por mais este Post amigo.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que agustiante.

    Ótimo texto. Gostei muito desse seu novo estilo de escrita... é emocionante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade! Eu curto muito passar aqui e ler o que ele escreve, é com certeza algo que vale a pena ler.

      Excluir
  3. Valeu Pedro.
    É angustiante mesmo. Quando comecei a escrever não sabia como iria terminar.

    ResponderExcluir
  4. É super legal isso, ao invés de conduzir o texto, deixar o texto de conduzir. Deu pra perceber isso lendo!

    Abraço.

    http://www.criadoescrito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal mesmo Nuti.
      A gente vai viajando com os personagens.

      Excluir
  5. Triste e apaixonado... O mar... Quanta distância! Me pergunto se a inspiração real deixou o autor realmente assim, nos limites... Será?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode apostar que sim Gabriel. Pode apostar...

      Excluir
  6. Belo texto, Claudio, gostei muito e fiquei com pena da amada que ficou a espera, coisas de poetiza apaixonada, rsrsrsrrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Carla. Pena que o capitão não chegou ao porto, mas quem sabe a garrafa ainda chega.

      Excluir
  7. oun que lindo e triste hihi! fazendo uma visitinha =)
    beijos
    http://maristelasaldanha.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Texto muito bom.

    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir