terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

A/C de João Dória


Caro Prefeito João Dória
           
Em primeiro lugar, para estreitar a distância, eu gostaria de evitar as formalidades de chamá-lo de senhor, vossa excelência e outras coisas.
Em segundo, eu gostaria de ser honesto e avisar que não votei em ti porque, apesar de morar em São Paulo, não voto nesta cidade.  Aproveitando também, falo que não simpatizo com o teu partido, aliás, não simpatizo com partido algum.  No entanto, reconheço as tuas intenções, lhe desejo muita sorte neste grande desafio e torço muito pelo teu sucesso.
Em terceiro, vamos ao objetivo desta minha comunicação...
Acredito que estejas recebendo milhões de solicitações por e-mails, whatsap, comentários no face, instagram, cartas, SMS, telefonemas, bilhetinhos por assessores bilhetes em papel de pão, sinais de fumaça e etc...
            Porém, não quero um pedido pessoal e sim algo que vai beneficiar muitos moradores de São Paulo.
            Estou me referindo aos pancadões das madrugadas espalhados pela cidade. Eu sei que alguns já estão sendo coibidos, mas o da Paraisópolis, que é próximo de onde moro, continua a todo vapor. E muitas vezes começam na quinta e terminam apenas na segunda de manhãzinha.
Deixo bem claro que não tenho absolutamente nada contra os moradores desta comunidade, pois sei que lá tem trabalhadores honrados e pessoas de bem. E é também por eles que resolvi escrever este post.
Se para mim que estou um pouco afastado, o barulho é insuportável e não me deixa dormir nem descansar, imagina para quem mora ao lado.
Há pessoas que trabalham em feriados e fins de semana e não conseguem ter uma noite de sono tranquila por causa destes eventos. Como poderão trabalhar corretamente?
Eu gostaria de saber o que fariam os promotores do evento do inferno se um de seus entes queridos precisasse de uma cirurgia delicada e de urgência com um médico que não conseguiu dormir por causa destas musiquinhas. Ou se fosse fazer uma viagem longa de ônibus cujo motorista tivesse sido vítima de uma noite mal dormida, ou ainda se fosse de avião cujo piloto tivesse o mesmo problema e assim por diante.
Além disto, mesmo que as músicas fossem “Beijinho no ombro” e “Show das poderosas”, que eu não curto, mas são pelo menos escutáveis, o barulho seria insuportável, agora imagina “Louco de maconha”, “Novinha quer mamar” e “Puta profissional”.  É demais.
Pois é prefeito, este é um grande problema e difícil de resolver, mas acredito em ti, pois uma vez que a lei que proíbe estas festinhas foi regulamentada é só mandar a polícia agir. E já que estás embelezando a cidade e cidade bonita é cidade limpa, em minha modesta opinião, digo-te que poluição sonora também enfeia e suja. Logo, cidade em silêncio também é cidade limpa e bonita.

Grande abraço e novamente boa sorte!

14 comentários:

  1. Parabéns!
    Desejo que chegue ao nosso prefeito e que ele nos ajude.
    Quero dormir em paz!!!

    ResponderExcluir
  2. Realmente é mais uma preocupaçao para os que residem proximos ou mesmo em Paraisopolis

    ResponderExcluir
  3. Caro amigo, Claudio. Estou totalmente de acordo contigo, pois esse inferno de música (que essa coisa é chamada) ninguém merece.

    ResponderExcluir
  4. BRAVO!
    Devemos lutar pelos nossos direitos,
    pelo que vejo vc está com toda razão,amigo!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  5. Neste país tu não consegue nem almoçar em um restaurante no dia-a-dia pois lá tem aquela maldita tv ligada no máximo. No supermercado a música sertaneja ou aquele vendedor aos berros do último aparelho de TV. No condomínio ou prédio o salão de festas ou espaço gourmet para os mais ricos, a música eletrônica a mil por hora. Fora os barulhos normais de um dia. Vou morar no Alaska. ��

    ResponderExcluir
  6. Eu não moro em São Paulo mas concordo com o texto.
    As vezes estamos numa praça e pinta um carro com som a todo volume elouquecendo a gente. Imagina querendo dormir e com um lixo de músicas como esta.

    ResponderExcluir
  7. Pois, meu querido! Com você, concordam milhões, tenho certeza!
    O interessante é que estes que querem ter "direitos" esquecem que este direito termina quando invade o dos outros. Acho que não só os pancadões, mas lojas e até casas, devem ter multas aplicadas e som aprendido. Na reincidência, até prisão. Esta falta de respeito virou epidemia e assim como os carros com som, deve ser punida!
    E o pior, não é só em São Paulo!!! A polícia, mesmo chamada não atende e muitas vezes nem podemos chamar para não ficar "marcado".
    Assim como vc, espero que seja algo para nosso prefeito do bem atender.

    Obrigada pelo carinho com a hortinha da Caverna.

    Abraços e feliz dia.

    ResponderExcluir
  8. Realmente tem coisas que parecem sem noção, proíbem tantas coisas, tiram outras que até nem era tão problemática, e deixam outras que incomodam e muito, como por exemplo barulho infernal a noite quando se tem que levantar cedo no dia seguinte para trabalhar. Música a todo vapor/volume deveria ser em lugares acústicos assim só ouviria quem realmente quer e gosta ... Texto perfeito deveria haver uma proibição em todo país de poluição sonora, não só a noite afinal tem pessoas que trabalham a noite e precisam dormir durante o dia ...
    Espero que de alguma forma ele receba a mensagem ..
    Bjs ❤
    Minda

    ResponderExcluir
  9. Oi Cláudio, bn!
    Infelizmente as leis aqui no Brasil só funcionam quando o motivo é um habeas corpus p/algum traficante ou político corrupto, aí nesses casos eles (advogados, polícia e políticos) procuram as brechas mais inimagináveis e assim conseguem soltar ou até mesmo inocentar os réus em questão. Já p/nós simples mortais as leis passam despercebidas.
    Assim é o Brasil, amigo!
    Ah, eu não conheço, mas as músicas citadas por vc devem ser maravilhosas kkkkkk. Espero que seu desabafo chegue nos ouvidos do prefeito, pq aqui no RJ os prefeitos não ouvem, não enxergam e não falam, só roubam!
    Bjssss amigo

    ResponderExcluir
  10. Oie Cláudio =)

    Desanima morar em um país que aparentemente a lei é seletiva. Eu não suporto nenhum tipo de música alta, mas infelizmente tem gente que deixou o respeito passar.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  11. Olá, Cláudio
    Acho que você tem toda a razão!
    Não estou lá para ouvir (graças a Deus, pois odeio barulho...) mas, em muito menor escala, tenho uns vizinhos altamente barulhentos que, à sexta feira, quando chega um pouco depois da meia noite, pensam que é meio dia... falam como se estivessem no meio da praça, a TV em altos brados parece dirigir-se à cidade inteira, enfim, nem com tampões nos ouvidos se consegue descansar.
    E concordo consigo - poluição sonora também suja, e muito!

    Re - Com um certo atraso... parabéns à esposa :)
    E aproveito para informar que tem novo post lá na minha "CASA".

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  12. Cláudio aqui onde eu moro na rua do lado, todo final de semana tem bagunça com música alta, não sou contra quem deseja se divertir, mas também é preciso ter bom senso, excelente seu post, abraços.

    ResponderExcluir
  13. Em Sampa a coisa tá crítica mesmo.
    Estas bostas de pancadões espalhadas pela cidade não deixa ninguém dormir.
    Ainda mais com estas musiquinhas cretinas.

    ResponderExcluir
  14. Oi Cláudio, bt!
    Quanto ao lagarto, eu faço sempre recheado com cenoura e linguiça (esse recheio é o que mais uso) e achei o nome "TATU" bem mais adequado mesmo quando a carne é recheada. Quando preparar o lagarto recheado, vou postar então como TATU pq como diz uma amiga minha, "garrei de amor nesse nome".
    Por favor, deixa minhas azeitonas em paz! kkkkkkk
    Bjssss amigo (bem querido) e uma semana de muito sucesso e abençoada é o que desejo p/vcs

    ResponderExcluir